sexta-feira, outubro 21, 2005

Ainda se lembram? 20 de Março de 1888... Teatro Baquet

Porto, 20 de Março de 1888... «Sei que havia, numa rua bonita, um Teatro chamado Baquet»

Há tragédias que marcam o imaginário de uma época e se transformam rapidamente e durante várias gerações em símbolos da precaridade da vida...

No dia 20 de Março de 1888, há precisamente 106 anos, o Porto viveu uma das mais terríveis tragédias da sua história recente. E o palco do drama foi deveras um palco, o do Teatro Baquet, na rua que era então de Santo António e hoje se chama 31 de Janeiro.

Fachada do teatro Baquet (1875)

Colocada a sua primeira pedra no dia 22 de Fevereiro de 1858, a construção do edifício – cuja planta foi concebida pelo seu primeiro proprietário, um alfaiate portuense de nome António Pereira Baquet – primou pela sua rapidez.

Em menos de um ano, a 13 de Fevereiro de 1859, o novo teatro dava-se solenemente a conhecer com um requintado baile de máscaras, cujo fundo musical esteve a cargo de uma orquestra pedida de empréstimo ao Teatro de S. João e dirigida pelo maestro Medina Paiva.

Livrinhos de coplas de uma zarzuela (1860)

Com a porta principal na Rua de Santo António e uma saída de serviço para Sá da Bandeira, o Baquet não era um edifício excepcional, mas possuía uma fachada agradável, enriquecida com uma varanda em pedra, onde repousavam quatro estátuas, figurando, respectivamente, a Pintura, a Música, a Comédia e as Belas-Artes.

O desenho da frontaria coube a Guilherme Correia e as pinturas da sala foram realizadas por João de Faria Teives. No interior, destacavam-se ainda os panos de boca, ornamentados com perspectivas do Porto.

Mas o que, do ponto de vista arquitectónico, distinguia o Baquet de outros teatros era o facto de estar, por assim dizer, enterrado. A primeira das suas três fiadas de camarotes ficava ao nível da rua, e à plateia descia-se por duas escadarias laterais.

Quando faleceu António Pereira Baquet, em 1869, a notoriedade do seu teatro já ultrapassara as fronteiras nacionais. Entre muitos outros nomes sonantes dos meios musicais de Oitocentos, apresentou-se aqui o célebre virtuoso espanhol do violino, Sarazate, que viria a ter no pianista português Viana da Mota um dos seus colaboradores regulares. E terá sido também no Baquet que, pela primeira vez, se representaram operetas interpretadas por companhias portuguesas.

Emília das Neves - Actriz do Teatro Baquet (1860)

Mas esta história que se pretende aqui contar é apagada de brilhos, a "história de uma noite desenrolada sob a asa do destino"...

O vento soprava veloz à entrada da Rua de Santo António e os transeuntes, com abafos de inverno, rumavam quase todos para o mesmo destino: a fachada iluminada do Teatro que anunciava um espectáculo único para essa noite - Os Dragões de Vllars (opereta cómica) e a Gran Vía (zarzuela de frederico Chueca e Joaquín Valverde, traduzida e adaptada por Guedes de Oliveira).

O Maestro Ciríaco Cardoso dirigia a orquestra. A casa estava lotada.

Maestro Ciríaco Cardoso

A Gran Vía reproduzia sobre o palco do Baquet um sátira política contra a demolição dos velhos quarteirões de Madrid em prol de uma nova e sofisticada artéria na cidade (analogia óbvia com a cidade de Lisboa que inagurara a sua primeira avenida em 1886).

Antes da passagem ao último quadro, o público, delirante, pedia um encore da última cena. Nos bastidores, um actor que aguardava o momento de reentrar em cena reparou que o tecto fingido do cenário estava a arder. Gritou que descessem a bambolina e a grande tela do quadro seguinte voltou a desenrolar-se com um estrondo.

Ninguém se aperebeu do que se estava a passar... apenas alguma agitação sob o cenário e um vago crepitar...

Poucos segundos depois os ocupantes do camarote 24 situado mesmo por cima do palco dão-se conta do perigo e saem corredor fora largando um deles o grito «Fogo!». É então que a sala inteira acorda do encantamento da música e das luzes...

... e começa a trágica confusão...

O horror estampado em todos os rostos que corriam pelas coxias sem esperar o alarme. Muitos espectadores esbarram com quem sai das primeiras filas, acumulando-se no fim do estreito corredor para a Rua de Santo António. Aí vão sendo empurrados e pisados por quem está atrás, numa onda de terror apertada e às escuras (o gás é imediatamente desligado, deixando o teatro imerso em trevas)...

Alguns quinze minutos após ter sido detectado o fogo, já caíra o tecto do palco e a fachada que dava para Sá da Bandeira ameaçava ruir a todo o momento. As chamas começavam a lamber os prédios vizinhos, obrigando os respectivos inquilinos a abandonar apressadamente as suas casas. Vários populares atravessaram as chamas para resgatar crianças e mulheres que ainda se encontravam no interior do teatro. Da varanda do edifício, vários espectadores lançaram-se à rua, quebrando braços e pernas.

Incêndio no teatro Baquet (1888) - entrada por Sá da Bandeira

Os bombeiros voluntários chegavam à Rua de Sá da Bandeira onde combateram as chamas, visto ser essa a entrada «oficial» do teatro. Só mais tarde se lembraram de ir acudir à porta de Santo António... onde atónitos os bombeiros confirmaram a existência de um autêntico mar de corpos carbonizados...

Interior do Teatro Baquet após o incêndio (1888)

Não se sabendo mesmo ao certo quantas pessoas haviam perecido no fogo (mais de uma centena), foi decidido que se faria um funeral colectivo na noite de 23 de Março, no Cemitério de Agramonte, num jazigo monumental e comum, construído com bocados de escombros, ferros retorcidos dos camarotes e colunas chamuscadas.

Exéquias fúnebres em homenagem as falecidos na Igreja da Lapa (Gravura)

Nos dias seguintes à tragédia, realizaram-se inúmeras iniciativas destinadas a recolher fundos para auxílio das famílias enlutadas. A mais importante foi, provavelmente, a Matinée da Imprensa Portuense, no Palácio de Cristal, a que assistiram a rainha D. Maria Pia e o infante D. Afonso. As orquestras do Baquet e do Teatro do Príncipe Real (hoje de Sá da Bandeira) actuaram em conjunto, e Bordalo Pinheiro associou-se ao evento dispondo-se a realizar "caricaturas instantâneas" de personalidades conhecidas.

Após a "matinée", D. Maria Pia percorreu durante quatro horas as casas dos parentes das vítimas, distribuindo generosamente libras de ouro. O líder do Partido republicano, Alves da Veiga, foi um dos visitados, não porque lhe tivesse morrido alguém, mas porque recolhera dois órfãos de um dos mortos do Baquet. João Chagas, que viria a colaborar com Alves da Veiga na intentona do 31 de Janeiro, acompanhou a visita e deixou-nos a descrição pormenorizada desse tocante "momento de conciliação de dois princípios", que reuniu num acto solidário a máxima representante da monarquia e o chefe da oposição republicana.

O Teatro Baquet passou assim à história, envolto numa capa de lenda e de tristeza... imortalizando-se um palco de emoções, luxo e fantasia...

22 comentários:

RA disse...

Parabéns Susy!
A pesquisa histórica está mesmo fantástica e o texto verdadeiramente espectacular!!!

Miguel disse...

Está muito bem documentado e dá-nos sempre a sensação que ainda falta descobrir mais alguma coisa da cidade mais linda de Portugal :) Continua o excelente trabalho!! Beijinhos, Miguel

Bel disse...

Está genial...
Essa história é mesmo marcante!
Bjs

Bel

Benedita disse...

Parabéns pelo teu blog dedicado à cidade Invicta e obrigada por partilhares histórias tão fabulosas, até então desconhecidas (pelo menos por mim!!). Gostei particularmente deste documentário. Confesso que fiquei com uma certa curiosidade de ir ao cemitério verificar a existência do jazigo (não é nada morbido!!!).

Lamento que uma rua tão emblemática da cidade do porto se tenha tranformado em "China Town" (Um desabafo!!).

Continua a supreender-nos, vou estar atenta.

Beijinhos

Suzy disse...

Obrigada Benedita!!

Quando fores lá a Agramonte, espera por mim! Porque foi uma grande falha da minha parte não ter colocado uma imagem relativa ao monumento que lá está...

Muitos, muitos beijinhos!!

FMSG disse...

É que não fazia a mínima ideia!! Sempre se aprende mais bocado deste pequeno tesouro que é a Invicta! Obrigado Susy! ;)

Gelly disse...

Teatro Baquet...
Então era isso!!
Não fazia ideia da sua existência.
Obrigada pela partilha!
Adoro o teu blog chefinha :) Faz-me amar ainda mais nossa invicta!
Beijos amiga!!!

Anónimo disse...

adorei o pedaço de historia .. parabens pelo blog

Nuno disse...

Andava eu a procura onde fica a Nota Privativa da Caixa Geral de Depósitos que pelos vistos é o antigo Teatro Baquet e encontrei o teu Blog! Parabéns pelo teu blog, adorei ler este pedaço de história da cidade Invicta!

Beijo

Anónimo disse...

Parabens pelo trabalho.
Está verdadeiramente interessante e bem documentado.

Temos na n/ posse dois cartazes (publicitário) deste teatro: um sobre a peça "A Filha da Sra Angot - 13 de Dezembro de 1875" e outro de "A Gata Borralheira - 11 e 12 Dezembro de 1880".

Se estiver interessada em adquiri-los pode consultar no próximo mês em www.antiquabook.com ou se desejar pode contar-nos pelo 966926214 Fernando Cabral.

Batista disse...

Parabéns pela pesquisa e pelo texto.Sou da mais bela cidade de Portugal, o Porto, claro e não conhecia todo os factos da história do Teatro Baquet. Obrigada por teres dado a conhecê-los.

FG disse...

FG
Parabéns Susy!
venho só pedir um esclarecimento no sentido de confirmara a data da tragédia do Teatro de Baquet, refere o dia 20 de Março de 1888, no entanto tenho o álbum denominado " LÁGRIMAS E DORES ", à memória das vitimas do pavoroso incêndio, que refere o dia 21 de março de 1888. Este álbum que teve a colaboração de ilustres personagens da época, teve como destino a venda, tendo então sido posto á venda por oito crianças órfãs.
O dito álbum de que tenho um exemplar, coloquei-o á venda no OLX.
Sem grandes estudos da minha parte, sobre o incêndio do Teatro Baquet, fiquei com a dúvida, em relação ao dia do sucedido.
Fgregório

Anónimo disse...

... e o 14 de avril (tamén é casualidade) de 1888, organízase na cidade de Vigo un festival a beneficio das víctimas do incendio. Nel interveñen todos os artistas locais, tanto afecionados como profesionais e foi un grande acontecemento.

Gutóume poder ler a súa crónica.

Un saúdo dende Vigo

Mar

Anónimo disse...

Tenho um livro "A Grande Catastrophe do Theatro Baquet" para venda quem estiver interessado: www,antiquabook.com

teste disse...

Gostava muito de saber onde obteve estas informações (bibliografia), pois estou curioso sobre a história dos incêndios em teatros na cidade do Porto (S.João em 1908 e Coliseu em 1996).

teste disse...

não sou teste, LOL, mas sim "jesca.msc" at gmail.com

Carlos Marques disse...

Este foi um espectáculo que fizemos com base no texto do Jayme Filynto... que creio ser a mesma fonte para o seu texto. qualquer dúvida. carlomasks@gmail.com
https://teatrobaquet.wordpress.com/

Carlos Marques

O GATO DAS BOTAS MUSICAL disse...

Boa tarde.

Estou a organizar e recolher informação acerca do teatro Sá da bandeira. Tem alguma coisa que possa partilhar ou pode mesmo colaborar connosco pois vamos organizar uma exposição no Teatro a partir de Julho?
Obrigado
Francisco Santos

Maria Silva disse...

Tomei conhecimento desta história ontem, por mero acaso...enquanto vagueava pelo cemitério de agramonte. Foi a primeira vez que lá tinha ido. É um monumento de respeito mas só após a leitura da legenda que lá se encontra é que percebi a razão do monumento...nunca tinha ouvido falar desta história. E tantas vezes passo na rua 31 Janeiro.... muitos mistérios se encerram nas igrejas e cemitérios do Porto

Maria Silva disse...

Tomei conhecimento desta história ontem, por mero acaso...enquanto vagueava pelo cemitério de agramonte. Foi a primeira vez que lá tinha ido. É um monumento de respeito mas só após a leitura da legenda que lá se encontra é que percebi a razão do monumento...nunca tinha ouvido falar desta história. E tantas vezes passo na rua 31 Janeiro.... muitos mistérios se encerram nas igrejas e cemitérios do Porto

Maria Silva disse...

Tomei conhecimento desta história ontem, por mero acaso...enquanto vagueava pelo cemitério de agramonte. Foi a primeira vez que lá tinha ido. É um monumento de respeito mas só após a leitura da legenda que lá se encontra é que percebi a razão do monumento...nunca tinha ouvido falar desta história. E tantas vezes passo na rua 31 Janeiro....

José Rodrigues disse...

Faleceu com 63 anos a 25/12/1867, pelas 09:00, no n.º 157 da R. de Santo Antonio na freg. de Santo Ildefonso (assento de óbito on-line)tenho o seu testamento cerrado sido aberto nesse mesmo dia:
nasceu na zona do Bomfim como Antonio Pereira, perto das Goelas de Pau, por volta de 1803 / 1804;
emigrou com sua família para Espanha em 1828 tendo aí aprendido a arte de alfaiataria e casado, de onde regressou ao Porto em 1836 com sua mulher instalando-se na Praça da Batalha como contramestre em casa do 1.º alfaiate da cidade, o Capella.